Busca da Visão

A busca da visão é um antigo "rito de passagem", no qual o buscador é enviado a um Local de Poder para jejuar, orar e pedir uma visão por três ou quatro dias, dormindo ao relento e as vezes sem água. O objetivo dessa atividade, chamada pelos Lakota de "Subida da Colina", é colocar a prova e desenvolver seu poder pessoal. À medida que você que você contempla a natureza, você exercita a paciência e a perseverança esperando por uma visão. A busca da visão não deixa de ser uma peregrinação simbólica que favorece sua conexão com a essência, o seu Wanagi (Eu Superior).

Dentro do Xamanismo, existem diversas formas de realizar a busca da visão. Além de uma viagem a um local de poder e o tradicional jejum de três ou quatro dias, podem ser realizadas caminhadas solitárias, em região de difícil acesso, onde é colocada a prova a capacidade de sobrevivência e força espiritual. Existem algumas jornadas interiores na escuridão de uma Sauna Sagrada, de uma Kiva ou de um quarto fechado durante dias. A busca de visão pode ser tão simples como a solidão de uma tarde, vendo o sol se por numa montanha ou no mar.

Qualquer que seja a forma, a busca da visão pode transformar sua vida. Simplesmente este é um ritual que ajuda a tranquilizar-se, concentrar-se e sintonizar-se com os Poderes Superiores e obter respostas para alguns de seus problemas mais complexos. Além de auxiliá-lo com algumas visões para contribuir para o bem estar de nossos irmãos e a preservação da Mãe Terra. Em meio à natureza, e com sua permissão arranje sete pedras (Um xamã não se considera superior, ou inferior a nada, nem mesmo as pedras, portanto só pegue as pedras se lhe for permitido) do tamanho de sua mão, mais ou menos.

Deite-se (é melhor que seja em meio à natureza, mas esta parte pode ser feita em casa, ou no seu local de poder) e cubra-se com um cobertor ou lençol; coloque duas pedras abaixo dos pés (as pedras, todas, devem prender o cobertor), estas ajudam a ter habilidade para caminhar nos mundos interiores; coloque duas nas mãos (ao lado delas, e sempre acima do cobertor), para ter habilidade de tocarem a essência espiritual; coloque duas acima dos ombros, estas fornecem habilidade para ouvir-ver-sentir e expressar as visões percebidas; coloque uma acima da cabeça, esta fortalece e representa a intenção da viajar. Cubra a cabeça com um cobertor, chapéu, vende-se, etc, para ficar bem escuro.

Ouça as batidas do tambor (na falta deste, conecte-se com a sua pulsação e com o ritmo da própria Terra). Decida ou intua, qual dos oito caminhos deseja seguir:

LESTE: A abertura, encorajar sua direção e objetivo de vida, avaliar novos começos e projetos, avivar suas esperanças;

SUL: Realização, encontrar seu poder, realizar seus propósitos, buscando seu autoconhecimento, desenvolvendo seu potencial;

OESTE: Interiorização, assimilar e compreender as experiências, reforçar sua responsabilidade, encontrar a cura;

NORTE: Sabedoria, aceitação, silencio, buscar o apoio e a orientação dos ancestrais, contatar a sabedoria inata;

NORDESTE: Inspiração, buscar novas fontes de inspiração na Natureza, arte, música, livros, meditação;

SUDESTE: Força do Guerreiro, agir como guardião e defensor da liberdade, buscar confiança, auto-afirmação, seus talentos;

SUDOESTE: Intuição, através do equilíbrio ser receptivo para novas percepções, estar atento aos sinais buscando conhecimento;

NOROESTE: Purificação, reprocessar-se para finalizar um ciclo e começar outro, buscar a verdade em tudo; Pedir a presença de seu animal de poder e de seu mestre-xamã interior. Procure uma das entradas para o outro mundo (fendas em rochas, ocos de árvore, cavernas, símbolos, espirais anti-horário para descer, horário para subir).

Ao entrar no mundo interior, a cognição deve mudar. Abandone todos os seus conceitos e julgamentos, pois lá as coisas nunca são o que se imagina. Você poderá encontrar animais, humanos, divindades, elementais, etc. Uns poderão "falar" (comunicar-se de alguma forma) com você, outros te ignorarão.

O importante é prestar atenção a tudo! A escuridão e a imobilidade embaixo do cobertor, preso pelas pedras, as batidas do tambor ou do pulsar da Terra, e a sua intenção facilitam o desprendimento do seu espírito a se deslocar para mundos interiores e planos diferentes. Quando o tambor mudar o ritmo, ou quando lhe for intuído, volte e anote tudo! Inclusive símbolos, formas, etc. Tudo poderá ser usado, para o seu objetivo, sua intenção da viagem!